• Poliana Danezio de Assis

Desmatamento de Mangues e Restingas

Os mangues e restingas são áreas de transição entre o mar e as cidades, são neles que encontramos uma riqueza de biodiversidade. Por estarem presentes em regiões que recebem o sal da água do mar, falta de nutrientes e ação forte dos ventos, as espécies que ali vivem possuem uma série de adaptações para conseguirem sobreviver as condições adversas dessa região.

O solo dos mangues é muito característico, nele ocorre uma alta decomposição devido a queda constante de folhas e galhos, o que faz parte de uma teia alimentar e habitat para outros animais, um solo pobre em oxigênio e uma água salobra, proveniente do encontro entre as águas do rio e do mar e mesmo com essas adversidades ele consegue progredir. A cor escura e o cheiro característico, oriundos dessa decomposição, é o que faz desse lugar berço para muita vida, como moluscos e crustáceos. Pela proximidade entre o mangue e o mar, muitos animais usam esse ambiente para reprodução e depois retornam ao oceano. Animais, como o caranguejo, encontrado nos mangues são fonte de renda para muitas famílias de catadores. Os mangues absorvem mais gás carbônico da atmosfera do que uma mesma área da floresta amazônica.

Estação Ecológica Municipal Ilha do Lameirão. Crédito: Chico Guedes

A vegetação de restinga esta sobre um solo extremamente pobre em nutrientes, além de ser salgado pela ação do mar, isso fez com que essa vegetação se adaptasse a estas condições e consiga crescer e se desenvolver em um ambiente completamente adverso para isso. Toda essa adaptação e resistência tem uma função de proteção da linha costeira, pois ela é a primeira barreira natural contra os avanços do mar para as cidades, em regiões de dunas, por exemplo, as raízes da vegetação são as responsáveis por segurar o avanço da areia das dunas, protegendo regiões habitadas.

Fonte: Marcos Junghans

A retirada da vegetação dessas regiões, principalmente para urbanização pelo setor imobiliário e construção de vias, acarreta em diversos problemas, incluindo erosões no entorno dessas construções. A manutenção e conservação das restingas e mangues nos protege de problemas futuros de desmoronamentos e avanço do mar.

Erosão na praia de Meaípe, Guarapari. Crédito: Eduardo Dias

Proteger as regiões de mangues e restinga do desmatamento é uma forma de nos protegermos, resguardarmos nossas cidades de problemas ambientais futuros, nossa economia, além de protegermos sustentos de famílias inteiras, nossa diversidade de fauna e flora e a qualidade do ar que respiramos.


#Oceanografia #Impactosambientais #Ecoceano